Grupo CONECTICIDADE realiza ciclo de palestras sobre Cidades Inteligentes e Sustentáveis

Ciclo de palestras CONECTICIDADE 2018

Data: 18/04/2017 (quarta-feira)
Horário: das 9h às 12h00
Local: Unidade Paulista – Avenida Paulista, 967 – 4º andar
Vagas Limitadas – Inscrições até 17/04/18 (clique aqui)


Apresentação:
A cidade inteligente visa obter esse resultado através de um bom planejamento urbano combinado com disposições técnicas, tecnológicas e de projeto que visam a melhoria e a supervisão do funcionamento e operação dos sistemas que a compõem.
O Grupo de Pesquisa CONECTICIDADE inaugura uma série de palestras com a apresentação dos Professores Joaquim Ferreira, Manuel Martins e Marcelo Pessoa.

Público-alvo:
Arquitetos e Urbanistas, Engenheiros, profissionais e empresas atuantes e interessados na área de Cidades Inteligentes (Smart Cities), incluindo os campos de planejamento urbano, tecnologias para gestão e operação das cidades, sustentabilidade no meio urbano, IoT e Big Data, softwares e hardwares aplicados, administração e gestão das cidades.

Programa:
– Apresentação do grupo de pesquisa CONECTICIDADE.
– A qualidade de vida e a base tripla da sustentabilidade.
– O planejamento urbano sustentável como base para o desenvolvimento da cidade inteligente.
– O uso massivo de tecnologias para oferecer sustentabilidade e qualidade de vida.

Palestrantes:

Manuel Carlos Reis Martins

Coordenador Executivo – Projetos AQUA, PBE-Edifica e EPD Brasil na Fundação Vanzolini
Engenheiro Civil pela Escola Politécnica – USP e Ph.D. pelo Imperial College – London University.
Especialização: AQUA-HQE e Gestão de Empresas – Brasil, França e Japão.
Foi: Diretor da Engenharia Civil e Coordenador da Qualidade do IPT, Diretor de Certificação da ABNT, Presidente do Instituto Paulista da Qualidade, Coordenador de Certificação de Sistemas de Gestão da Fundação Vanzolini e Professor de Sistemas de Gestão Integrada – pós-graduação na Faculdades São Luiz-SP, Faculdades São Francisco-Campinas, FIA/FEA-USP e IEE/USP.
Atualmente é membro do grupo Conecticidade que pesquisa a aplicação prática de conceitos envolvendo planejamento urbano e tecnologias visando a melhoria dos serviços urbanos e suas possíveis aplicações nas cidades.

Marcelo Schneck de Paula Pessôa

Vice-chefe do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP e Presidente do Conselho Curador da Fundação Vanzolini. É Engenheiro Eletrônico, Mestre, Doutor e Livre Docente pela Escola Politécnica da USP. Possui mais de 40 anos de experiência nas áreas de computação, automação e telecomunicações e trabalhou em empresas como Cosipa, Siderbrás e Centro de Pesquisas da Telebrás. Tem se dedicado a pesquisas na área de qualidade de software, tendo orientado mais de trinta dissertações e teses sobre esse tema. Atualmente é membro do grupo Conecticidade que pesquisa a aplicação prática de conceitos envolvendo planejamento urbano e tecnologias visando a melhoria dos serviços urbanos e suas possíveis aplicações nas cidades.

José Joaquim do Amaral Ferreira

Engenheiro Mecânico, opção produção, pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – EPUSP;
Mestre em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – EPUSP;
Master Of Science in Industrial Engineering, Stanford University, U.S.A.;
Doutor em Engenharia pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – EPUSP;
Professor do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP, Graduação e Pós-graduação.
Vice-presidente da Diretoria Executiva e Diretor de certificação da Fundação Carlos Alberto Vanzolini;
Conselheiro da FIESP, conselho superior da Indústria da Construção – CONSIC;
Vice-presidente do IQNET Association – The International Certification Network
Membro do Board da Sballiance – Sustainable Building Alliance – Paris.
Atualmente é membro do grupo Conecticidade que pesquisa a aplicação prática de conceitos envolvendo planejamento urbano e tecnologias visando a melhoria dos serviços urbanos e suas possíveis aplicações nas cidades.

PRO na Mídia: Professor da USP coordenará rede mundial de institutos de estudos avançados

O professor do PRO Guilherme Ary Plonski foi eleito coordenador da University-Based Institutes for Advanced Study (UBIAS), rede que congrega 44 institutos de estudos avançados dos cinco continentes. A eleição ocorreu no último encontro de diretores dos institutos da rede, realizado entre os dias 19 e 23 de março no IEA-USP.

Abaixo, um trecho da cobertura feita pela Agência Fapesp sobre a eleição (link para o texto completo: clique aqui).


Guilherme Ary Plonski, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade e da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e vice-diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP), foi eleito coordenador da University-Based Institutes for Advanced Study (UBIAS), rede que congrega 44 institutos de estudos avançados dos cinco continentes.

A eleição ocorreu durante o quinto encontro de diretores dos institutos da rede (UBIAS Directors’ Meeting), realizado de 19 a 23 de março no IEA-USP. Plonski substituirá Morten Kyndrup, diretor do Aarhus Institute of Advanced Studies, da Dinamarca, que coordenou a UBIAS nos últimos dois anos e presidiu o quinto encontro de diretores.

A escolha de Plonski fará do IEA-USP uma espécie de sede informal da UBIAS durante os dois anos da gestão. A intenção do novo coordenador é reforçar duas diretrizes: a interdisciplinaridade, não apenas como eixo de atuação da própria rede UBIAS, mas também como recomendação para as universidades que sediam os respectivos institutos; e o diálogo com a sociedade envolvente.

Esse binômio já vinha norteando fortemente as atividades do IEA-USP, como se verificou no dia 27 de março, no evento de posse de Eliana Sousa Silva como titular da Cátedra Olavo Setúbal de Arte, Cultura e Ciência do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

Silva é fundadora e diretora da Associação Redes de Desenvolvimento da Maré, que busca oferecer aos jovens do complexo de favelas do Rio de Janeiro a oportunidade de acesso à universidade e desenvolve mais de 20 projetos de arte, cultura e educação. Em uma solenidade na qual homenageou a memória de Marielle Franco, da qual era amiga e colaboradora, ela assumiu a cátedra resultante de parceria entre o IEA-USP e o Itaú Cultural.

“Não se trata de uma via de mão única, de levar para a sociedade maior o conhecimento que produzimos na universidade, mas de estabelecer um diálogo mais horizontal e mais simétrico entre os saberes acadêmicos e os saberes das comunidades”, disse Plonski à Agência FAPESP.

“Em termos de resiliência, de sobrevivência em condições difíceis, a universidade tem muito a aprender com as comunidades das periferias. E este é apenas um exemplo. Há muitos outros”, disse.

Como explicou o novo coordenador, a palavra “avançados” nos nomes desses institutos tem várias nuanças. Uma é a de se voltar para temas de fronteira do conhecimento e até para temas totalmente novos, ainda não cobertos pelas instituições mais tradicionais de ensino e pesquisa das universidades. Outra é a interdisciplinaridade, da interação muito ágil e intensa entre especialistas de diferentes áreas do conhecimento. Outra ainda, a abertura rumo à sociedade maior.

Conversa sobre doutorado sanduíche no exterior, com Afonso Fleury e Luis Fernando da Costa Oliveira

No dia 10/04, será realizada no PRO (Sala FG-228), das 12h às 13h, uma conversa com o Prof. Dr. Afonso Fleury e o doutorando Luis Fernando da Costa Oliveira sobre as experiências do estudante no doutorado sanduíche realizado na Universidade de Uppsala (Suécia). Segundo Luis Fernando, a instituição “é uma das melhores escolhas para uma experiência internacional durante o doutorado, oferecendo estrutura de primeira linha, convivência com pesquisadores renomados e uma vibrante comunidade internacional”.

Serão apresentados os detalhes da experiência que Luis Fernando teve ao permanecer por um ano em intercâmbio em Uppsala, entre abril de 2017 e março de 2018, dando destaque para o processo de definição e preparação que antecedeu a viagem, bem como às oportunidades que pôde aproveitar durante esse período no exterior. Além disso, o pesquisador fará um sumário de dicas que podem ajudar a todos os interessados a buscarem uma experiência similar na Suécia ou em outra universidade de primeira linha fora do Brasil. Por fim, comentará as contribuições que esse período trouxe para sua pesquisa e seu desenvolvimento pessoal.

PRO realiza workshop do software de análise de conteúdo N-Vivo

WORKSHOPNo dia 09 de abril, das 14h às 18h, ocorrerá no Departamento de Engenharia de Produção da Poli-USP (Laboratório OCEAN) o Workshop do software de análise de conteúdo N-Vivo, com o objetivo de apresentar as formas de utilização deste programa para a análise de dados em trabalhos acadêmicos.

A apresentação dos instrutores será transmitida ao vivo (à distância), com o apoio presencial de dois monitores. O evento, gratuito e destinado a docentes, pesquisadores e alunos de pós-graduação, está com as inscrições abertas (link: clique aqui). Estão previstas 32 vagas para o workshop, porém, caso haja alta procura, serão abertas vagas adicionais permitindo duas pessoas por computador. Haverá a emissão de certificado.

Sobre o NVivo: 

Software que suporta métodos qualitativos e variados de pesquisa. Ele é projetado para ajudar o pesquisador a organizar, analisar e encontrar informações em dados não estruturados ou qualitativos como: entrevistas, respostas abertas de pesquisa, artigos, mídia social e conteúdo web.

Poli-USP promove evento internacional sobre Engenharia da Complexidade

Pela primeira vez a Escola vai apresentar o programa do novo curso de Engenharia da Complexidade que a instituição oferecerá em Santos.  

I COLÓQUIO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA DA COMPLEXIDADE -A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) realizará, na quinta-feira, dia 5 de abril, das 9h às 18h, o 1º Colóquio Internacional de Engenharia da Complexidade. O evento faz parte de uma série de iniciativas desenvolvidas pela Poli-USP visando a criação de um novo curso de Engenharia, focado no tema da Complexidade. Este projeto tem sido trabalhado há alguns anos em conjunto com o Groupe des Écoles Centrales da França. “Trata-se de um desafio significativo para que, cada vez mais, possamos fazer frente aos desafios da sociedade e do seu desenvolvimento, no que diz respeito aos mais variados aspectos das relações sociais, do desenvolvimento tecnológico e da produção, do trabalho e o desenvolvimento das pessoas, do meio ambiente e da economia”, explica o coordenador do grupo de projeto do curso e professor da Poli-USP, Laerte Idal Sznelwar.

O principal objetivo do evento é iniciar uma série de apresentações e discussões com a comunidade científica e com a sociedade, de um modo mais amplo, a respeito da importância de difundir a Engenharia da Complexidade. Também será a primeira oportunidade de apresentar as ideias e o programa do curso a ser criado na Escola Politécnica. “No âmbito da Engenharia, a ruptura com paradigmas mais positivistas que a influenciaram de modo contundente nos últimos 150 anos e a introdução de propostas que advém do mundo da Complexidade é um fato. O grande desafio, para nós, é saber como incorporar a Complexidade no âmbito do ensino e da pesquisa, a partir desses paradigmas, que basicamente procuram integrar diferentes aspectos da arte de se fazer Engenharia”, aponta Sznelwar.

Leia notícia completa no link.


1º Colóquio Internacional de Engenharia da Complexidade

Data e horário: 5 de abril de 2018, das 9h às 18h

Local: Auditório Professor Francisco Romeu Landi – Edifício Mário Covas Júnior – Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Luciano Gualberto, travessa 3, nº 380. São Paulo – SP.

Inscrições pelo link: goo.gl/gh3h7x. Haverá a confirmação da inscrição por e-mail. 

USP recebe inscrições para a segunda turma do curso de Atualização em Psicodinâmica do Trabalho

Divulgação Curso Psicodinâmica 2018Até o dia 21 de março de 2018, estão abertas as inscrições para a segunda turma do Curso de Atualização em Psicodinâmica do Trabalho, promovido pelo Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP, com o apoio da Fundação Carlos Alberto Vanzolini. O curso é coordenado pelos Prof. Drs. Laerte Idal Sznelwar (EP-USP) e Selma Lancman (FM-USP), e conta com a participação dos Profs. Drs. Seiji Uchida, Juliana Barros e Claudio Brunoro.

O curso é voltado para profissionais interessados nas questões relativas à saúde e trabalho, à psicologia, à engenharia de produção, à administração e gerenciamento, de todos os setores. Possui como objetivos capacitar os participantes na compreensão dos conceitos e modalidades de ação da psicodinâmica do trabalho e ajudar a compreender os desafios relacionados com as modalidades de organização do trabalho e da avaliação de desempenho e a construção da saúde mental, do caminho em direção à realização de si, ao reforço do trabalho coletivo e do desenvolvimento das profissões.

O curso ocorrerá às quartas-feiras, das 18h30 às 22h30, a partir do dia 28 de março de 2018 (periodicidade: quinzenal). Inscrições e mais informações sobre o curso, no site da Fundação Vanzolini: clique aqui. O certificado será emitido pela Universidade de São Paulo.

PRO premia os melhores trabalhos de formatura de 2017

Premiação TFs 2017 PRONo dia 06 de março, foi realizada a apresentação dos melhores trabalhos de formatura (TF) de 2017 do curso de graduação em Engenharia de Produção da Poli-USP. Os trabalhos de formatura são elaborados no quinto ano do curso, consistindo no desenvolvimento de uma monografia sobre um tema de relevância para a área, a partir das experiências profissionais e interesses dos estudantes.

Neste ano, três trabalhos foram selecionados e apresentados no evento. O aluno Pedro Rodrigues F. da Fonseca, orientado pela Profa. Dra. Celma de Oliveira, examinou modelos de previsão de demanda de combustíveis no setor de transporte brasileiro. Caio Giudice Bentivegna, sob orientação do Prof. Dr. Erik Eduardo Rego, realizou um estudo comparativo entre Brasil e Itália sobre a viabilidade econômica de microgeração fotovoltaica. E Yago Oliveira Cavalcante analisou em seu projeto o conceito de Social Return on Investment (SROI), contando com a supervisão do Prof. Dr. Mauro Zilbovicius.

No evento, houve também a entrega do Prêmio Otto Bekman, concedido ao melhor trabalho. Neste ano, os trabalhos de formatura foram analisados por uma banca composta pelos Profs. Drs. Leonardo Gomes (FEA), João Amato Neto e Roberta de Castro Souza, ambos do PRO. De acordo com o Prof. João Amato, os TFs apresentaram um alto grau de qualidade, podendo ser transformados em projetos de pós-graduação. Os trabalhos foram analisados a partir dos seguintes critérios: originalidade do tema e da abordagem, redação e formatação, formulação do problema, revisão teórica, métodos, resultados e impacto do trabalho.

Após parabenizarem os estudantes, o projeto de Caio Bentivegna foi anunciado como o vencedor do prêmio.

Os vídeos das apresentações serão disponibilizados no site do PRO em breve. Para saber mais sobre o TF, acesse o site: http://pro.poli.usp.br/graduacao/trabalho-de-formatura.

Na foto (esq/dir): Prof. Dr. André Leme Fleury e  Caio Bentivegna (Crédito: Alvaro Marques)

PRO Indica: Lançamento do “Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador”

No dia 20 de março de 2018, ocorrerá o lançamento do “Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador”. Organizado pelo professor René Mendes, a publicação contou com a colaboração de pesquisadores da área, incluindo os Profs. Drs. Uiara Montedo e Laerte Sznelwar (PRO/Poli-USP).

O evento será realizado na Biblioteca Municipal Mário de Andrade, das 17h às 21h (Endereço: Rua da Consolação, 94 – São Paulo/SP).

Para mais informações sobre o Dicionário, clique aqui.

Convite LançamentoSP_FINAL

Professor Paulino Francischini lança livro sobre indicadores de desempenho

Livro "Indicadores de Desempenho"No dia 28 de março de 2018, ocorrerá, no Centro Histórico da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o lançamento do livro Indicadores de Desempenho: Dos objetivos à ação — métodos para elaborar KPIs e obter resultados. Escrito pelos Profs. Drs. Paulino Francischini (PRO/Poli-USP) e Andresa Francischini (Universidade Presbiteriana Mackenzie) e publicado pela Editora Alta Books, o livro reúne a pesquisa acadêmica e a experiência de vários anos dos autores como professores universitários, consultor de projetos de melhoria de produtividade e pesquisadora nas áreas de Economia e Internacionalização de Empresas.

De acordo com os docentes, a publicação foi elaborada a partir da necessidade de ampliação da bibliografia sobre o tema. Nela, discute-se o conceito de desempenho, e são apresentados modelos de métricas e indicadores existentes (por exemplo, o Balance Scorecard). A principal lição que se pretende transmitir é: primeiro o objetivo, depois o indicador. Isto é, para que o sistema de medição de desempenho seja eficaz, é necessário para o gestor ter claro quais requisitos acordados ou esperados pelos clientes internos e externos. Além disso, é importante que todo indicador tenha uma meta, ou seja, um valor que deve ser atingido em determinado período de tempo. Mais informações sobre o livro, no site da Editora Alta Books: clique aqui.

Informações sobre o evento de lançamento: 

Local: Centro Histórico da Universidade Presbiteriana Mackenzie
Horário: das 17h às 19h30
Endereço: Rua Itambé , 135 – Prédio 1

Noite de celebração para os novos professores titulares da Poli-USP

No dia 22 de fevereiro de 2018, os dez novos professores titulares da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) foram homenageados em uma sessão solene da Egrégia Congregação. Entre eles, a Profa. Dra. Marly Monteiro de Carvalho, do Departamento de Engenharia de Produção. Abaixo, alguns trechos do texto publicado no site da Escola Politécnica da USP sobre o evento (para ler o texto na íntegra, clique aqui).


Noite de celebração para os novos professores titulares da Poli-USP

Os dez novos professores titulares da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) foram homenageados na noite de ontem (22/02) em uma sessão solene da Egrégia Congregação. Marcada por momentos de emoção, descontração e bom humor, a cerimônia foi realizada no Auditório do Prédio da Administração da instituição, e terminou com uma apresentação do Coral da USP e um coquetel oferecido aos participantes, a maioria familiares e amigos. (Confira no álbum da Poli no Flickr as fotos do evento.)

“Esses são os melhores entre os melhores. Parabéns”, cumprimentou o professor José Roberto Castilho Piqueira, diretor da Poli, ao abrir a cerimônia, logo após os homenageados terem sido conduzidos ao auditório pelo professor titular e decano da Congregação, Lucas Antonio Moscato. A seguir, a assistente Técnico Acadêmica da Poli-USP, Márcia Costa Pinto Barros, leu o Termo de Posse dos novos titulares.

Em uma apresentação descontraída e bem humorada, a professora Liedi Legi Bariani Bernucci, escolhida pela Diretoria para fazer a saudação em nome da Congregação, ressaltou a trajetória profissional de cada um dos professores titulares. Antecipando que iria alterar um pouco o protocolo, ela comentou que não se aprofundaria muito nos dados curriculares. “Os méritos acadêmicos de cada um deles foram exaustivamente testados e comprovados ao longo do concurso para professor titular”, disse.

Ela, então, inverteu a ordem do discurso, “para fazer um suspense”, como ela mesma afirmou, brincando. Primeiro, Bernucci pontuou alguns fatos relevantes das carreiras, inserindo depois informações mais pessoais nas saudações feitas a cada um dos docentes. Só depois revelava os nomes, promovendo uma espécie de jogo de adivinhação.

A professora Marly Monteiro de Carvalho, falou em nome dos novos titulares. Única representante do sexo feminino do grupo, fez um discurso emocionado e pontuado por uma reflexão sobre a evolução da inserção de mulheres, negros e pessoas vindas de classes de menor renda. “Quando entrei na Poli, 3.3% da turma era de mulheres, não havia negros e poucos eram de escola pública. Décadas depois, vejo o vídeo de nossas alunas que viralizou na internet e isso mostra que o cenário mudou pouco”, afirmou.

Ela pediu para que os professores imaginassem como seria a sala de aula de Engenharia do futuro. “Todos devem ter pensado que não podemos abrir mão do mérito, mas, além disso, gostaria de ver nessa sala um perfil de alunos bastante diversos. Gostaria de trazer a complexidade da diferenças para as mesas de projetos”, acrescentou.

Ela destacou também que o professor, nessa sala de aula do futuro, não terá o mesmo papel que exerce hoje. “Vejo mudanças vertiginosas no jeito de ensinar”, pontuou ela, enumerando as habilidades que deverão ser desenvolvidas pelos estudantes em salas de aula como a capacidade de se comunicar bem e trabalhar em grupo, de desenvolver o pensamento crítico e inovador e o comportamento empreendedor. “Mas, sobretudo, vejo a sala do futuro povoada de alunos brilhantes”, afirmou.

Texto elaborado pela Assessoria de Comunicação da Poli-USP.